domingo, novembro 23, 2014

Empregadas


Essas três devem ter aprontado... Antigamente, as empregadas era quase como membros da família e, se filhos e principalmente filhas adolescentes podiam apanhar no bumbum, empregadas também podiam, e apanhavam. Talvez o mundo tenha melhorado em algumas coisas, impedindo que empregadas domésticas sejam disciplinadas com surras no bumbum.

Mas confesso que em algumas coisas eu talvez seja o que chamam de reacionário.

Ah, o cartoon veio deste site. Visitem que vale a pena.

domingo, novembro 16, 2014

Calouros e veteranos



A veterana está dando uma surra na caloura: "Quantas vezes tenho que dizer para você? Calouras não têm encontros com veteranos!" São muito rígidas, as regras das irmandades universitárias americanas...

Eu tirei o cartoon deste blog, talvez o mais famoso blog de spanking do mundo. Com méritos, diga-se.

domingo, novembro 09, 2014

Switched


Trata-se de uma surra de galho de arvore, ou seja, switch. A variedade do vocabulário anglo-americano para todas as coisas relacionadas com spanking é fascinante. Eles gostam mesmo disso.

Tirei o cartoon deste blog.

domingo, novembro 02, 2014

Teatro


Isso tem cara de ser um anúncio de uma peça teatral. Que pena que o teatro brasileiro não seja assim...

Tirei o cartoon deste blog.

domingo, outubro 26, 2014

Preparação


Overbarrel é ótimo, e o tema desse cartoon parece ser a preparação de um casal para se divertirem com uma sessão de spanking.

Acho que o que mais gosto é da cara ansiosa e safada dessa spankee de cabelos vermelhos e lindo bumbum.

domingo, outubro 19, 2014

terça-feira, outubro 14, 2014

Lisboa Não Sejas Francesa




Não namores os franceses
Menina, Lisboa,
Portugal é meigo às vezes
Mas certas coisas não perdoa
Vê-te bem no espelho
Desse honrado velho
Que o seu belo exemplo atrai
Vai, segue o seu leal conselho
Não dês desgostos ao teu pai

Lisboa não sejas francesa
Tu és portuguesa
Não vais ser feliz
Lisboa, que idéia daninha
Vaidosa, alfacinha,
Casar com Paris
Lisboa, tens cá namorados
Que dizem, coitados,
Com as almas na voz
Lisboa, não sejas francesa
Tu és portuguesa
Tu és só pra nós

Tens amor às lindas fardas
Menina, Lisboa,
Vê lá bem pra quem te guardas
Donzela sem recato, enjoa
Tens aí tenentes,
Bravos e valentes,
Nados e criados cá,
Vá, tenha modos mais decentes
Menina caprichosa e má
Lisboa não sejas francesa